Conteúdo

09/07/2018

O pneu é vital para a segurança veicular. Ele é o responsável por conferir maior estabilidade e dirigibilidade ao veículo, além de exercer a função de tração e frenagem. Assim, é natural que ele mereça atenção especial por parte do condutor. A pedido do PARAR, César Urnhani, piloto de testes e apresentador do Auto Esporte, e Roberto Manzini, diretor do Roberto Manzini Centro Pilotagem, separam algumas dicas para você obter o melhor rendimento e eficiência do pneu.

 

Aumentar a durabilidade

A durabilidade dos pneus depende de vários fatores. O cuidado e a forma de conduzir fazem toda a diferença. É importante que os pneus sejam calibrados semanalmente e que o veículo esteja devidamente alinhado, assim como os pneus balanceados. Além disso, é fundamental que o motorista faça a sua parte:

  • Utilize o máximo do freio motor (redução de marchas, mesmo para câmbios automáticos) e menos o freio de pé;
  • Não acelere forte, mas sim de forma progressiva;
  • Evite fazer curvas em alta velocidade.

 

Segurança

Para garantir segurança ao rodar, é importante dar atenção aos seguintes itens:

  • Garantir que os quatro pneus tenham a mesmas especificações técnicas do equipamento original de fábrica;Calibre o pneu sempre frio, uma vez por semana e com a pressão especificada pelo fabricante do veículo;
  • Tenha o carro sempre alinhado e pneus balanceados;
  • Não rode com os pneus nos limites indicados pelo fabricantes em relação ao TWI, que é de 1,6mm, pois, em caso de piso molhado a possibilidade de aquaplanagem é enorme. Visando minimizar esse risco, o recomendado é trocar antes, com 2,5 ou 2mm.

 

Atenção com a calibragem dos pneus!

É a pratica mais simples, porém a mais importante. Um pneu calibrado garante:

  • menor consumo do pneu;
  • menor consumo de combustível;
  • melhor dirigibilidade;
  • menor vulnerabilidade a formação de bolhas ou cortes em impactos nos buracos;
  • menor distância de frenagem;
  • maior aderência no seco e principalmente no molhado.

 

Na prática

Em um exercício chamado de “desvio de alce”, feito pelo Roberto Manzini Centro Pilotagem, o  veículo faz, em uma pista balizada por cones, desvios para a direita e esquerda, percorrendo alguns metros nesta posição, saindo e voltando para sua trajetória inicial.

Durante o teste, o piloto aumenta a velocidade progressivamente, até determinar uma velocidade limite, que é aquela onde não há necessidade de correções de trajetória.

Utilizando a calibragem recomendada pela montadora de 32 psi, foi possível realizar a ação com segurança e sem ter que corrigir a trajetória a 95 km/h. Já depois de reduzir a pressão dos pneus em 21,9%,  passando para 25 psi, para manter a trajetória sem realização de correções, a velocidade limite baixou para 78 km/h, ou seja, houve uma perda de dirigibilidade de 17,9%.

“Além disso, ao trefegar com pneus abaixo do determinado pelo fabricante, houve aumento de aproximadamente 5% no consumo de combustível”, revelou Roberto Manzini.

 

Pneus em teste

Dada à sua devida importância, os pneus não podem ser escolhidos apenas pelo preço. É  fundamental que se faça uma escolha baseada no modelo mais indicado para seu veículo e proposta de uso. Dessa forma, os testes de pneus se revelam como importantes fontes de consulta para se avaliar e comparar parâmetros antes da compra.

De acordo com Cesar Urnhani, os testes partem primeiro do tipo de veículo que o equipa. “Se for um carro esportivo, o foco em durabilidade e conforto é baixo, porém em estabilidade e aderência é alto. Já se for um carro popular, existe uma preocupação maior com conforto e durabilidade, sem perder um ponto ideal de estabilidade.  Mas seja qual for o seguimento tem um item que é igual para todos: a segurança”.

O piloto destaca que os pneus devem ser submetidos a três níveis de testes:

  • Velocidade baixas de cotidiano com conforto, dirigibilidade e estabilidade direcional;
  • Velocidades no limite de aderência para avaliar o desempenho e segurança;
  • Velocidades que extrapolam o limite para avaliar a controlabilidade quando existe uma situação de emergência em piso seco e molhado.

 

E ai, já checou seu pneu hoje?

 

Por: César Urnhani e Roberto Manzini, para PARAR Review.

Deixe seu comentário