Conteúdo

03/04/2018

Há três anos à frente da frota da SINAF Seguros, Diogo Rodrigues vem realizando um trabalho consistente com o intuito de colocar a cultura de segurança como um valor primordial na gestão de frotas da companhia. A experiência trazida de anos de trabalho em empresas que tinham a gestão de frotas como seu core business somada à participação nas ações e eventos educacionais promovidos pelo Instituto PARAR foram primordiais para Rodrigues fomentar algumas mudanças dentro da SINAF.

Gestor certificado na primeira turma do Programa para Gestores de Frotas do PARAR, o PGF, ele conta que o curso forneceu as informações necessárias para que ele aplicasse ações importantes na companhia. “O grande diferencial é que o Programa é voltado para o nosso dia a dia e totalmente aplicável à nossa realidade como gestor de frota”, destacou.

Quando chegou à SINAF, em 2013, Rodrigues encontrou índices elevados de excesso de velocidade por parte dos motoristas, chegando a registrar até mais de 700 excessos por mês. “As informações geradas pela telemetria me permitiram fazer um mapeamento do cenário e esse foi um dos pontos de melhoria que identifiquei. A partir disso, começamos a realizar algumas ações para mudar esse indicador”, revelou.

O primeiro passo, de acordo com o gestor, foi conscientizar o corpo diretivo para mostrar a importância de se trabalhar o indicador de velocidade. “Meu principal pilar era mostrar que o condutor pode andar dentro do limite seguro de velocidade e ainda sim gerar economia para a companhia”. Durante as reuniões, eles entenderam que era necessário estabelecer um limite de velocidade e chegaram à definição de 90 km/h, de acordo com o modelo do veículo utilizado na frota, o Sprinter.

 

Como a SINAF cuida de seus condutores

Cada veículo conduz até 15 pessoas da equipe de vendas da companhia. “Então, nós tínhamos um veículo de grande porte, que conduzia bastante gente, andando acima de 100 km/h. Era um cenário preocupante”, destacou Rodrigues. Além de estabelecer o limite de velocidade, foram realizadas uma série de palestras de conscientização para os colaboradores e todos os condutores passaram por treinamento prático de direção segura e eficiente.

Os indicadores também passaram a ser medidos, através da telemetria, e analisados constantemente. “Percebemos que esse quesito velocidade estava muito atrelado ao fraco desempenho que esses veículos estavam nos trazendo como resposta”, contou Rodrigues. Com a implantação dessas ações, os resultados começaram a aparecer. De 2013, quando se iniciou o trabalho, para cá, a redução dos excessos de velocidade foi significativa. Passaram de 735 excessos, em janeiro de 2013, para apenas 7 excessos em outubro de 2016.

“A redução do limite de velocidade proporcionou a redução do número de multas e a melhora no desempenho do veículo, pois deixamos de ter aquela oscilação de velocidade durante a trajetória diária dos nossos motoristas”, revelou o gestor. Esse resultado foi obtido em uma das quatro empresas que compõem o Grupo SINAF, que conta com 20 veículos em sua frota, mas as outras companhias também estão comprometidas em reduzir os excessos de velocidade e implantar ações que garanta a segurança de seus condutores e colaboradores.

“É um trabalho constante e esse resultado só aumenta a nossa responsabilidade de manter essa redução e, se possível, zerar esse indicador. Nossa meta é chegar a zero excessos”, destacou Rodrigues. O próximo passo envolve um grande projeto que já está sendo desenvolvido pelo gestor: a construção da Política de Frotas da companhia. Essa será uma etapa primordial para que a meta zero seja atingida.

 

Por: Karina Constancio, Coordenadora de Conteúdo da WTM, para PARAR Review. 

Deixe seu comentário