Whatsapp

Blog

Revisão de carros: por que é tão importante na gestão de frotas pequenas?

Blog

Revisão de carros: por que é tão importante na gestão de frotas pequenas?

21 de Outubro de 2021

Saiba o quanto a revisão de carros é importante para que a gestão de frotas pequenas possa manter seu pleno funcionamento.

Ficar doente de repente é uma situação muito incômoda e difícil. Além de precisar deixar o trabalho de lado por uns dias (ou semanas), é preciso estar disposto a pagar alguns custos adicionais com remédios e consultas para que o bem-estar seja restaurado.

Por isso, para evitar que doenças nos façam “visitas surpresas”, é necessário realizar consultas de rotina, de modo a verificar como está nossa saúde e o que fazer para prevenir enfermidades.

Assim como nós, os carros também precisam dessa atenção para evitar situações adversas. Esse cuidado é a revisão automotiva, que dá muito mais segurança  para o veículo e para o condutor, além de reduzir as chances de falhas em algum equipamento durante uma viagem.

Se há o estrago de alguma peça do veículo no trajeto, os prejuízos podem ser bem maiores, já que resolver o problema com urgência é mais custoso. O fato de uma peça comprometida causar danos em todas as outras gradualmente torna a situação ainda mais séria e pode comprometer todo o veículo.

Sendo assim, preparamos este material para explicar o quanto a revisão de carros é importante para garantir o pleno funcionamento das operações de uma empresa, como isso deve ser feito e quais os benefícios de manter os veículos em um bom estado para serem usados. Boa leitura!

 

Quais são os tipos de revisão de carros?
Revisão de carros: quais são os principais pontos em que a gestão de frotas pequenas deve prestar atenção?
Dicas para a gestão de frotas pequenas cuidar de seus veículos

 

Quais são os tipos de revisão de carros?
 

Uma gestão de frotas eficiente é aquela que se preocupa com a revisão e manutenção de seus veículos.

Basicamente, o principal intuito dessa estratégia é resolver o problema antes de ele aparecer, o que aconteceria, comumente, no meio da estrada.

Esse cuidado preventivo é feito por meio de um planejamento minucioso, detalhado e rotineiro, para equilibrar gastos e garantir a segurança no trânsito.

Há três tipos de revisão de veículos e todas elas são necessárias, dependendo da situação que o gestor precisa contornar:
 

  • Revisão preventiva: uma rotina de procedimentos é realizada por mecânicos qualificados para verificar a saúde do automóvel e o estado de cada uma de suas peças. Aspectos como a utilidade, o tipo do veículo, a quilometragem e a vida útil do carro e das peças são levados em consideração.
     

  • Revisão corretiva: quando o veículo apresenta um desempenho reduzido ou o condutor percebe o mau funcionamento em alguma peça, a revisão corretiva acontece com o fim de restaurar o bom estado do automóvel. Isso também é importante quando o carro sofre com algum agente externo, como acidentes.
     

  • Revisão preditiva: engloba a aplicação da tecnologia para monitorar o desempenho das peças do veículo e a vida útil de cada uma delas. Para isso, a revisão preventiva depende da coleta de dados por meio de termografia, ultrassonografia, ferrografia, análise de vibração e pressão, por exemplo. Com isso, é possível ter o desempenho máximo de seu veículo, bem como a prevenção efetiva de possíveis falhas e surpresas durante algum percurso.

 

Um importante objetivo do gestor é evitar que a revisão corretiva seja uma prática frequente.

Isso porque esse procedimento resolve um problema que já aconteceu (isto é, o veículo já está comprometido ou danificado), o que significa retirar um automóvel de circulação e diminuir a produtividade da frota. Além disso, as manutenções corretivas são mais custosas e demoradas.

Embora ela se apresente como necessária em algumas situações de acidente, é importante ter uma abordagem que vise a redução de direcionamento de automóveis ao mecânico para esse fim.
 

Então, com a revisão preventiva e preditiva, em conjunto, preferencialmente, o gestor pode evitar que uma situação se agrave a ponto de retirar o veículo de funcionamento.

Sendo assim, continue lendo para entender como aplicar as revisões de carros, na prática, para garantir o pleno funcionamento de cada veículo de sua frota.

 

Revisão de carros: quais são os principais pontos que a gestão de frota pequenas deve ter atenção?

A revisão de veículos é um processo complexo e que envolve muitos detalhes, que variam para cada tipo de automóvel.

Desse modo, os principais pontos de atenção na manutenção de veículos são:

 

  • Troca de óleo: uma das ações mais comuns em uma manutenção preventiva, a troca de óleo tem seu prazo definido pela montadora do automóvel, mas, geralmente, compreende o período de seis meses ou a cada dez mil quilômetros rodados. 

 

Se isso não for feito, o veículo terá sua vida útil reduzida, uma vez que todos os componentes são afetados se a troca de óleo for negligenciada, especialmente o motor, já que o óleo é responsável pela lubrificação das peças.
 

  • Freios: outro ponto de atenção em uma manutenção preventiva, o sistema de frenagem funcional e responsivo é indispensável para a segurança no trânsito. 

 

No diagnóstico, verificam-se os fluidos (que devem ser trocados anualmente), discos, pastilhas e outras peças que compõem ou afetam o sistema de frenagem. Mesmo que as peças não apresentem avarias, recomenda-se que elas sejam trocadas a cada dez mil quilômetros rodados.
 

  • Filtros: uma revisão eficiente não pode deixar de verificar o estado dos filtros de ar, freios e combustível, de modo a evitar que a sujeira danifique as peças internas do veículo. Recomenda-se a troca dessas peças a cada dez mil quilômetros rodados, mas vale verificar o que a montadora recomenda.
     

  • Sistema de arrefecimento: a temperatura do motor deve ser mantida em 90ºC e o sistema de arrefecimento é responsável por garantir que isso aconteça, pois, se sobreaquecido, o motor perde sua vida útil ou mesmo derrete outras peças mais sensíveis. Estamos falando das mangueiras, radiador e um fluido específico (água desmineralizada e aditivo que deve ser trocado uma vez a cada dois anos). A revisão se certifica do seu pleno funcionamento e se não há vazamentos.
     

  • Pneus: claro que uma revisão completa não pode deixar de lado os pneus e sua revisão é programada. O desgaste dessas peças e a não calibragem aumentam o consumo de combustível, além de colocar o motorista em risco de acidentes.

 

Leia mais: Pneus: dicas e cuidados
 

  • Alinhamento e balanceamento: o alinhamento assegura que o ângulo das rodas esteja em uma posição adequada, já o balanceamento se preocupa em garantir que não exista instabilidade no deslocamento. Ambos devem ser feitos de acordo com a atividade de cada veículo.
     

  • Sistema elétrico e bateria: fusíveis, luzes, faróis e bateria precisam de atenção no momento de revisão. Por exemplo, luzes e faróis com defeitos em um veículo ativo são razão para multas, além de não serem seguros ao motorista. No caso da bateria, é necessário verificar se não há oxidação dos polos ou sujeira, pois essa peça precisa estar em excelente estado.
     

  • Outros aspectos relevantes em uma revisão preventiva: velas do motor, correia dentada, suspensão, radiador, caixas de câmbio, espelhos, cintos de segurança e limpador de para-brisa.

 

Diante de tantos detalhes e critérios para executar uma revisão de veículos que proporcione bons resultados à empresa, é necessário contar com algumas dicas, de modo a facilitar e otimizar o processo. Siga a leitura para saber mais!

 

Dicas para a gestão de frotas pequenas cuidar de seus veículos

 

O veículo precisa que suas peças estejam em excelentes condições para funcionar da maneira adequada e evitar situações que possam causar dores de cabeça.

Dessa maneira, separamos algumas dicas de como a gestão de frotas pequenas deve agir para garantir a melhor manutenção de seus veículos:
 

  • Elabore relatórios com o histórico do carro: é importante documentar todas as informações sobre os veículos de sua frota. Aspectos como marca, tipo do carro, modelo, ano de fabricação, quilometragem e datas de revisão são relevantes para constar nesse documento.

 

Com um sistema de rastreamento ou telemetria fica mais fácil ter controle sobre a quilometragem e programar as revisões preventivas.
 

Leia mais: passo a passo para criar sua política de frotas leves

  • Fique atento ao modo como os veículos são conduzidos: um detalhe que passa despercebido por muitos gestores de frotas pequenas é como os motoristas se comportam no trânsito.

  •  

 

 A maneira como o veículo é freado ou a frequência que pede combustível são dados que podem sinalizar imprudência do condutor. Monitore essas informações para criar políticas internas, reduzir gastos com manutenção e imprevistos, e otimizar processos.

 

  • Conte com a tecnologia para manter o controle de veículos: as ferramentas tecnológicas são fundamentais para uma gestão de frotas eficiente, pois são capazes de fornecer as informações relevantes sobre os veículos, condutores e rotas percorridas, além de proporcionar um sistema de telemetria para acompanhar o desempenho de cada veículo.

 

Leia mais: Qual a tecnologia ideal para a minha frota?

 

  • Não pense em revisões preventivas e preditivas como despesas: um equívoco muito comum entre gestores de frotas pequenas é economizar em manutenção ou mesmo não realizá-las. 

 

Tal estratégia gera gastos surpresas muito mais elevados do que a economia que foi ilusoriamente feita, sem mencionar o transtorno e a decepção, da empresa e dos clientes, quando o trabalho não foi realizado de forma completa e interrompido pelo mau funcionamento do veículo. Revisão é investimento e garantia de bem-estar e trabalho completo para todos.
 

  • Realize a revisão com pessoas qualificadas: há um outro grupo de gestores, aqueles que se diferenciam dos mencionados no tópico acima e reconhecem a revisão como importante, mas não estão dispostos a pagar muito por isso.

 

Essa estratégia também vai custar caro no futuro, pois a revisão superficial é tão danosa quanto a não realização desse procedimento, justamente por transmitir a falsa sensação de proteção. Conte com os melhores profissionais da área e que utilizam a tecnologia para uma manutenção preditiva e completa. Assim, seu veículo, condutor e operações estarão seguros.
 

  • Não esqueça da documentação: os documentos do veículo também precisam de revisão e atualização. Mais uma vez, a tecnologia pode ser útil para fazer esse controle.
     

  • Pense nas melhores rotas e trajetos: Com a ajuda de um sistema de gestão de frotas, elabore os melhores trajetos para evitar viagens desnecessárias ou mesmo eliminar estradas em péssimas condições de percurso, com curvas excessivas ou com alto índice de engarrafamento.

 

Leia mais: Rodovias não pavimentadas: desafio a gestores e consultores de frotas

 

  • Fique atento às peças que se desgastam naturalmente e equipamentos obrigatórios: é natural que as peças do veículo sofram desgaste, sobretudo pneus, para-brisa, lubrificante, correia dentada, filtros e pastilhas de freio. Ainda, certifique-se que as peças obrigatórias estão dentro do veículo, como o extintor, macaco, chaves de roda, estepe e documentos.


Essas ações são fundamentais para reduzir custos desnecessários com avarias inesperadas, ainda mais aquelas que acontecem durante a execução de um trabalho.

Mais do que isso, esses cuidados são primordiais para que sua empresa contribua com um trânsito seguro e consciente.

Quer saber como a tecnologia pode te ajudar ainda mais na prevenção de acidentes e estragos em sua frota e potencializar seus resultados? Então acesse nosso eBook gratuito: